CORTE DE CUSTOS: POR ONDE COMEÇAR?

Independente do segmento ou porte da sua empresa, é bem comum que, em algum momento, ela tenha que passar por um processo de corte de custos. Os motivos para essa tomada de decisão podem ser bastante variados (margem de lucro não satisfatória, crise econômica, queda de demanda etc.), mas uma característica nessa situação é recorrente: a dúvida dos gestores sobre por onde começar.

Não existe uma regra sobre quais custos devem ser cortados e de que forma. O que vai nortear essa decisão é o conhecimento sobre cada um deles.

É importante ter em mente que o corte de custos é muito mais uma estratégia de crescimento às avessas do que uma solução para recuperação da empresa. De maneira emergencial, até pode ser necessário cortar um custo variável ou outro, mas se não houver uma perspectiva de mudança estratégica, fica bem complicado dizer que o negócio vai se recuperar apenas com o corte de custos.

Se o seu negócio está passando por um momento assim, não se desespere. Veja algumas informações que poderão ser pertinentes para encontrar as melhores soluções:

 

Conheça os custos do seu negócio com profundidade

Você só vai saber por onde começar a reduzir se conhecer realmente quais são os custos da sua empresa.

A análise dos custos – e não o seu corte direto – é uma diretriz eficaz para mostrar o possível crescimento da empresa. Com uma análise clara, é possível mensurar o quanto que os custos vão subir com o crescimento da empresa, o que, por sua vez, mostra quais são os custos que devem ser reduzidos para que esse crescimento seja sadio.

Para esse mapeamento, é imprescindível que a empresa conte com o custeio correto de produto. Muitas vezes, erros na hora de calcular o custo de um produto geram incompatibilidades e prejudicam a saúde financeira da empresa.

A formação adequada do preço de venda também tem bastante influência, estando diretamente ligada ao lucro ou prejuízo nos negócios.

 

Analise a capacidade da sua produção

Queda de demanda costuma ser um motivo frequente da necessidade de cortar custos, questão totalmente atrelada à margem de lucro. Por isso, uma análise de capacidade é bem interessante neste processo, para que se tenha o entendimento claro dos recursos necessários (máquinas, equipamentos, matéria-prima etc.) para atender à sua demanda.

Pode ser que o seu mercado tenha caído e isso se tornou um padrão. Se você tem muita capacidade instalada ociosa, esse é um caminho para corte de custos. Essa decisão deve ser estudada a partir da programação da produção, levando em conta se é possível fazer mais com menos.  

Com o mapeamento da capacidade é possível otimizar o funcionamento do estabelecimento em relação ao custo e produtividade, podendo, por consequência, reduzir custos e estabelecer uma previsão de lucratividade (veja um case sobre o assunto para saber mais detalhes).

 

Custos fixos x custos variáveis? Qual devo procurar cortar?

Não existe uma definição clara de quais itens devem ou não ser cortados. Existem aqueles que têm mais impacto direto nos produtos e indireto na empresa como um todo.

Cada um deles pede uma “tesoura” diferente para corte. Também não existe uma ordem lógica de itens que devem ser reduzidos, tudo varia de empresa para empresa.

Sempre vai ser necessário analisar o contexto.

Por exemplo, seu negócio pode ter custos fixos de energia elétrica, que dependem do consumo de cada equipamento na produção, e custos variáveis com manutenção de equipamentos. É preciso fazer uma análise gerencial de custos para averiguar se a venda de uma máquina que tem consumido muita energia e a compra de uma nova mais eficiente é mais inteligente do que manter o pagamento bimestral de manutenção de equipamentos. Possivelmente sim, mas depende da escala.

Uma questão que costuma ser delicada para os gestores, mas que precisa entrar na análise gerencial de custos, é a redução de pessoas na equipe.

Muitas vezes, essa medida é pensada como uma solução clara, porque impacta diretamente nos custos fixos. Mas os aspectos indiretos também devem ser pesados, como os impactos negativos no clima empresarial, por exemplo.

São todas questões complexas, que exigem análises específicas. Para isso, é fundamental que o gestor faça uma análise de riscos acerca de cada item a ser cortado para tomar decisões assertivas.

Ficou mais claro como nortear o processo de corte de custos? Em caso de dúvidas, entre em contato: (51) 3308 4421 | epr@eprconsultoria.com.br