DIAGRAMA DE PARETO: FERRAMENTA DE QUALIDADE PARA SOLUCIONAR ERROS

 

O Diagrama de Pareto é reconhecido como uma das 7 Ferramentas da Qualidade, tendo como objetivo auxiliar no controle das inconformidades em uma linha produtiva e, até mesmo, em um contexto administrativo.
Criado pelo italiano Vilfredo Pareto no século XIX, o Princípio de Pareto, em seus primeiros estudos, mostrava a desigualdade de riquezas entre a população de um país. Ele revelou, portanto, que 20% da sociedade tinha posse de 80% dos bens da época.
Já em um ambiente corporativo, este recurso aponta que 20% das causas principais são responsáveis por 80% dos problemas de uma organização,. Neste sentido, foi graças ao consultor de negócios Joseph Juran que conhecemos o Diagrama de Pareto como um sistema de gestão de qualidade.

 

Objetivos do diagrama de pareto: melhor ação para melhor resultado

O Diagrama de Pareto é uma demonstração gráfica que permite uma fácil visualização e compreensão dos problemas ou causas mais relevantes para a organização. Assim, ele prioriza os pontos mais significativos a serem solucionados. Ademais, promove um esclarecimento sobre a relação causa–benefício, identificando quais ações devem antepor as demais para trazer resultados satisfatórios.

De modo geral, o Gráfico de Pareto ordena as inconformidades e as relaciona com suas causas, para saná-las rapidamente. Neste sentido, imagine uma empresa que já consegue identificar uma perda de movimentação entre os estoques intermediários e a linha de produção. Todavia, ela não sabe por onde começar para resolver esse problema. 

Neste exemplo, o aconselhado é realizar um estudo das possíveis causas para essa inconformidade e, após, colocá-las em um Diagrama de Pareto. Assim, é possível analisar quais as ações que necessitam de mudanças para que o nível do problema em questão seja diminuído drasticamente.

 

Onde e quando aplicar o diagrama de pareto?

O Diagrama de Pareto fornece um norte em relação às causas que já foram levantadas, com foco em eliminar o erro. Deste modo, é uma ferramenta da gestão da qualidade muito utilizada em momentos de tomada de decisão sobre determinado caminho a ser seguido, sanando o problema pela sua maior causa.

No início de sua aplicação em empresas, o foco do Diagrama de Pareto era voltado para perdas em indústrias. Todavia, com a grande evolução da gestão da qualidade em todos os setores, o Gráfico de Pareto também pôde ser utilizado em diversas áreas. 

Alguns exemplos de segmentos são ciência da computação, saúde, administração, marketing, vendas, entre outras. Sendo assim, o ambiente mais propício à implementação desse diagrama é aquele que precisa solucionar um erro ou efetivar melhorias.

O Diagrama de Pareto deve ser aplicado em situações em que:

  • Houver a necessidade de relatar as causas gerais de determinados problemas através da análise de dados de um fluxo.
  • Ser necessário elencar as ações mais relevantes dentre muitas.
  • Houver uma conexão em as causas existentes em um processo ou situação.
  • Existir um estudo da frequência em que as causas ocorrem e provocam um problema.

Além disso, é importante ressaltar que as situações citadas possuem o objetivo final de corrigir o erro, mesmo não sendo a ação reparadora. Não podemos descobrir a intensidade das causas e não atuar em cima delas.

 

Descubra os benefícios do diagrama de pareto

O uso do Diagrama de Pareto como uma ferramenta de gestão da qualidade pode trazer inúmeros benefícios e vantagens para um setor ou para uma empresa como um todo. Por esta razão o princípio promove o aumento na eficiência, otimizando de maneira rápida e precisa um processo ou atividade.

Com isso, vamos conhecer os motivos pelos quais esse estudo é tão atrativo:

  • Ajuda a selecionar os principais pontos críticos de uma organização: por meio do Diagrama de Pareto as causas mais relevantes serão o foco da empresa para a resolução dos problemas.
  • Facilita na organização de dados: apresenta de maneira clara e organizada as informações conforme uma prioridade para o reparo de determinado erro.
  • Auxilia na tomada de decisão: os dados coletados e analisados com o Gráfico de Pareto contribuem para o direcionamento de ações de uma empresa, por mostrarem situações verídicas.

Como funciona o diagrama de pareto?

O Diagrama de Pareto é representado em um gráfico de barras que permite dimensionar as causas de um determinado problema. Mas como funciona essa análise e como podemos interpretá-la?

Quando visualizamos um Gráfico de Pareto, podemos identificar os eixos verticais de frequência (número de ocorrências) e de frequência acumulada. No eixo horizontal estão representadas as causas de um erro, surgindo, assim, as colunas com suas mensurações de repetições em um determinado tempo coletado.

Por fim, é possível visualizar uma linha curva na parte superior do gráfico. Ela representa o percentual acumulado de causas elencadas. Dessa forma, os dados apresentam um panorama geral de todas as ocorrências e suas repetições neste sistema de gestão da qualidade.

Para um melhor entendimento de como funciona o Gráfico de Pareto, veja a tabela e o gráfico abaixo:

 

 

 

Criando um diagrama de pareto – confira as etapas:

Após o entendimento sobre Diagrama de Pareto, resta a dúvida: como criar um? Neste sentido, siga as nossas dicas abaixo:

  1. Identifique o objetivo da ação, ou seja, qual o problema que deve ser sanado;
  2. Analise as causas para o específico erro e as liste em uma tabela em ordem decrescente do número de ocorrências;
  3. Acrescente na tabela as colunas de número de ocorrências acumuladas, porcentagem das causas e porcentagem acumuladas das causas do erro;
  4. Realize os cálculos necessários em cada coluna lista no item anterior;
  5. Aplique os dados em um gráfico de frequência. Aqui, as séries serão os números de ocorrências e as categorias os tipos de causas;
  6. Aplique os dados de frequência acumulada e transforme em um gráfico de linhas, criando a Curva de Pareto.

 

O Diagrama de Pareto pode ser construído no Excel ou em outras ferramentas gráficas, é só começar.

Quer saber mais? Confira nosso texto sobre Crescimento Empresarial e outras dicas para acelerar a expansão do seu negócio no blog da EPR!

 

Conheça um pouco mais sobre Produção Puxada, termo dado às práticas que tornaram a Toyota, uma empresa japonesa falida, em uma potência mundial!

EPR Consultoria