GESTÃO DE QUALIDADE: SAIBA TUDO O QUE ENVOLVE

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

Gestão de qualidade é uma das ferramentas mais importantes para o sucesso de qualquer negócio.  A sua aplicação possibilita não só um melhor controle dos processos organizacionais, mas também uma visão sistêmica de toda a empresa, o que gera a melhoria de produtos e serviços.


Gestão de qualidade: entenda a sua importância

Devido à grande expansão da concorrência nos mais diversos setores, se destacar no mercado e proporcionar uma experiência única para o cliente tem sido, inegavelmente, cada vez mais desafiador. Assim, a gestão da qualidade se apresenta como uma das principais aliadas na busca pela tão desejada liderança no mercado e fidelização dos clientes.

Para isso, a criação de valor para os consumidores é essencial. Todavia, uma série de fatores pode afetar negativamente o desempenho de uma empresa em termos de qualidade. Por isso, a implementação da gestão de qualidade em busca da otimização de processos garante o correto direcionamento para esse objetivo. Por exemplo:

vantagens da gestão de qualidade


Gestão de qualidade: como implementar nas organizações?

Existem algumas ações recomendadas para a implementação da gestão de qualidade nas empresas. Essas ações permitem obter os resultados com maior facilidade e agilidade, levando à otimização dos recursos e esforços investidos. São elas:

  • Mapear os processos;
  • Usar metodologias corretas;
  • Realizar mudanças controladas;
  • Acompanhar e otimizar.

Portanto, buscando definir o que é essa ferramenta, foi criada a ISO 9001, um manual para adotar a Gestão de Qualidade Total. A partir de regras e boas práticas, o manual define os 7 Princípios da Qualidade, conforme imagem abaixo:

os 7 princípios da qualidade

 

1. Melhoria Contínua

A fim de aumentar e otimizar cada vez mais o desempenho do trabalho, a gestão de qualidade deve ser um trabalho contínuo. Por isso, os responsáveis por gerir cada área da empresa devem sempre implementar os melhores e mais modernos processos.

 

2. Gerenciamento de processos

O gerenciamento por processos permite uma visão sistêmica do funcionamento da empresa como um todo, o que possibilita o alcance mais eficiente dos resultados desejados.

Além disso, o gerenciamento de todos os recursos e atividades de uma empresa como um processo é fundamental, visto que contribui na implementação de melhorias e no monitoramento e controle dos indicadores que mais influenciam a sua cadeia de valor.

 

3. Engajamento das pessoas

O comprometimento e a conscientização de todos os colaboradores são vitais para o crescimento da companhia. Em vista disso, o gestor deve promover o envolvimento de todos os profissionais da empresa com metas, estratégias e resultados. Além disso, é essencial que o gestor compreenda e utilize as habilidades e conhecimentos de cada um.

 

4. Foco no cliente

A Qualidade está diretamente relacionada com a satisfação das necessidades dos clientes. Ou seja, a empresa deve projetar, produzir e comercializar o produto de acordo com as exigências dos mesmos, além de, sempre que possível, superar as suas expectativas.

 

5. Boa relação com os fornecedores

Sem dúvida, é essencial para qualquer empresa estabelecer um relacionamento de benefício mútuo com os fornecedores, por meio de parcerias estratégicas, a fim de garantir a agregação de valor e a satisfação do cliente.

Além disso, a boa relação com os fornecedores promove o fortalecimento das parcerias e garante a aquisição de insumos de qualidade para os produtos ou serviços. Assim, esse relacionamento fortalece a presença de ambos no mercado.

 

6. Tomada de decisão baseada em fatos

Qualquer decisão deve sempre partir de uma abordagem factual. Em outras palavras, devemos tomar decisões com base em fatos, dados concretos e análise lógica das informações. Assim, será possível construir e manter um sistema eficiente de monitoramento de indicadores da empresa.

 

7. Liderança proativa

Na implementação de uma gestão de qualidade, é fundamental a presença de uma liderança proativa. Ou seja, líderes que baseiam-se em indicadores para agir, antecipar mudanças e previnir problemas.

Nesse sentido, a liderança é responsável por transmitir a cultura organizacional da empresa. Além disso, ela deve criar um ambiente favorável para que todos os colaboradores se sintam motivados e se comprometam a alcançar não só os objetivos pessoais, mas também os da empresa como um todo.


Confira as 5 principais ferramentas de gestão de qualidade

Outro ponto fundamental para quem está buscando elevar o nível da organização são as ferramentas de gestão de qualidade.

As ferramentas são de fácil aplicação e podem ser utilizadas para resolver a maioria das questões relacionadas à gestão de qualidade.

1. Diagrama de Ishikawa (Diagrama de causa e efeito)

O Diagrama de Ishikawa, ou “Espinha de peixe, é uma ferramenta bastante utilizada em empresas para se encontrar a causa de problemas específicos.

Dessa forma, ela é muito eficiente para a gestão de qualidade, pois possibilita uma perspectiva simples e objetiva de um problema, tornando muito mais fácil encontrar a solução.

O Diagrama é composto por uma linha horizontal principal que define o problema em questão. Os ramos que separam para as laterais exibem as causas do problema. Pequenas ramificações saem desses ramos, as quais são consideradas as subcausas do problema. A aparência final é semelhante a uma espinha de peixe, por isso o nome.

diagrama de causa e efeito ishikawa

2. Análise SWOT

A Análise SWOT é uma ferramenta administrativa muito utilizada para aprimorar os diferenciais competitivos da empresa diante do mercado. Além disso, ela auxilia a enxergar os elos fortes, fracos e riscos que podem comprometer o negócio em médio ou longo prazo.

A sigla SWOT corresponde à abreviação de termos em inglês:

  • Strengths (Forças) – Pontos nos quais a empresa demonstra vantagens competitivas em relação à concorrência;
  • Weaknesses (Fraquezas) – Pontos nos quais a empresa apresenta vulnerabilidades ou falhas que podem prejudicar seu desempenho, frente à concorrência;
  •  Opportunities (Oportunidades) – Fatores internos e externos à empresa que se mostram tendências promissoras a serem trabalhadas;
  • Threats (Ameaças) – Tendências do mercado capazes de gerar riscos para o negócio no futuro, como a expansão de uma empresa concorrente, por exemplo.

 

3. Folhas de verificação

As folhas de verificação são documentos simples, práticos e de fácil entendimento, como planilhas e tabelas. Elas são utilizadas para agilizar a coleta de dados. No entanto, o gestor deve definir previamente quais itens serão analisados.

O registro nas folhas permite que a empresa tenha uma percepção mais apurada sobre a sua realidade, o que facilita para que se tenha uma melhor interpretação. As folhas podem também ser consideradas uma espécie de “Check-list” de produção. Por essa razão, elas devem estar sempre em mãos.

 

4. Fluxograma

O Fluxograma é utilizado para apresentar o fluxo de etapas específicas de um processo. Frequentemente, organizações o utilizam para descrever cada passo de um determinado processo. A partir disso, é possível indicar rumos a tomar, definir responsáveis por cada etapa e padronizar tarefas, por fim, colaborando para a gestão de conhecimento da empresa.

De forma simples e direta, o fluxograma permite que toda a sistemática de um processo possa ser compreendida, tornando toda a operação muito mais produtiva.

 

5. Ciclo PDCA

Também conhecido como Ciclo de Deming, o Ciclo PDCA é uma ferramenta de gestão de qualidade voltada para processos de melhoria contínua. Além disso, ele consiste em quatro etapas, com as quais é possível entender como um problema surge e como pode ser solucionado. Trata-se de um processo que foca nas causas – e não nas consequências – visando evitá-las.

  • Plan (Planejamento) – A primeira etapa consiste em traçar as metas e objetivos;
  • Do (Execução) – Nessa etapa, coloca-se o planejamento em execução. É importante fazer um mapeamento de todo o processo, para que a análise e verificação dos resultados possa ser realizada posteriormente;
  • Check (verificação) – Aqui é o momento de analisar os resultados atingidos, observar se houve diferenças quanto ao esperado e se ficou registrado algum desvio de qualidade;
  • Act (Ação) – É o momento de tomar ações corretivas em relação aos resultados da etapa anterior ou resultados negativos, reiniciando um novo ciclo.

Métricas de gestão de qualidade

A empresa deve utilizar métricas de gestão da qualidade para medir de forma quantitativa os seus resultados. Sendo assim, elas possibilitam analisar se a empresa está agindo e produzindo de acordo com o planejado. Essas métricas asseguram o investimento feito, trazem segurança no desenvolvimento diário e também nos próximos passos da empresa.

Os gestores da empresa precisam ter muita atenção na implementação das métricas de qualidade para evitar erros que possam comprometer o dia a dia da produção. Dessa forma, eles devem realizar o registro adequado de todas as soluções de problemas que venham a surgir, incluindo sua evolução, para prevenir que se repitam.

Outro ponto que merece atenção é a utilização de processos feitos por outras empresas. Esses procedimentos além de, às vezes, não serem aplicáveis ao seu negócio, acabam por deixar de lado a identidade do seu trabalho. Caso algum procedimento de outra empresa seja realmente de seu interesse, o ideal é possuí-lo como base, mas adaptá-lo, tornando-o adequado ao seu empreendimento.

Para entender como precificar seu produto ou serviço, baixe nossa Planilha de Precificação!

voltar ao topo