PDCA: ENTENDA A SUA IMPORTÂNCIA NA GESTÃO DE NEGÓCIOS

Tempo de Leitura: 8 minutos

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

PDCA - Banner

O ciclo PDCA é uma metodologia que propõe a melhoria contínua em um processo. Portanto, utilizando o PDCA, é possível encontrar os problemas e resolvê-los de maneira rápida e assertiva.

Além disso, o PDCA contém quatro etapas essenciais para que ocorra uma melhoria no processo: Plan (Planejar), Do (Fazer), Check (Checar), Act (Agir). Assim, para que o PDCA ocorra de maneira ideal, é necessário usá-lo como um ciclo, onde a última ação deste leva para uma primeira.

Entenda onde o PDCA entra em um Projeto de Engenharia!

PDCA: conheça a sua origem

A criação do PDCA ocorreu na década de 1920, e o elaborador da metodologia foi Walter Andrew Shewart, um físico norte americano que ficou conhecido pelos seus estudos na área de controle estatístico de qualidade. Contudo, o PDCA começou a se tornar popular apenas em meados dos anos 50 pelo professor norte americano William Edwards Deming, o qual muitos consideram como “pai” da qualidade.

Nesse sentido, criou-se o PDCA em inspiração ao pensamento de dois filósofos fundadores da escola filosófica do Pragmatismo: Clarence Irving Lewis e John Dewey. Dessa forma, uma das vertentes mais fortes do PDCA foi o pensamento de Dewey para resolução de problemas, o qual se baseava em cinco passos: 

  1. Perceber a dificuldade; 
  2. Localizar o problema; 
  3. Definir o problema; 
  4. Sugerir possíveis soluções e desenvolver através do raciocínio as influências; 
  5. Observar posteriormente as soluções aplicadas que levam à aceitação ou rejeição.

Inicialmente, recomendava-se o PDCA para a melhoria contínua da qualidade de produtos e serviços de uma empresa. Atualmente, o PDCA é uma das principais ferramentas para a solução de problemas independente da área da empresa ou do seu ramo de atuação.

PDCA: qual é o seu foco?

O foco principal do ciclo PDCA é a melhoria contínua dos processos. Atualmente, indica-se amplamente a metodologia, inclusive pela ISO9001, além de se reconhecer como uma das principais ferramentas para a gestão de de qualidade nas empresas.

Sendo assim, o PDCA é um ciclo com quatro etapas. Portanto, para que o objetivo do PDCA concretize-se e a empresa aplique a melhoria contínua, é de extrema necessidade seguir as quatro etapas de maneira cíclica. Em outras palavras,ao terminar a última etapa Act, realizar o início de uma nova Plan.

 As quatro etapas do ciclo PDCA são as seguintes:

  1. Planejar (plan)
  2. Fazer (do)
  3. Checar (check)
  4. Agir (act)

Planejar (plan):

Para que um problema seja resolvido, é extremamente importante impor metas, objetivos e planejá-los adequadamente. Dessa forma, o planejamento é a primeira etapa do PDCA e tem como características a identificação do problema e o planejamento para a resolução do mesmo.

Essa etapa do PDCA pode ser subdivida em outras quatro etapas:

  • Identificação do problema

Para identificar o problema, o ideal é que se responda a pergunta: “Qual é o meu problema?”. As formas mais práticas de responder essa pergunta são analisar dados históricos (relatórios, dados, gráficos), fotografias e por meio de Brainstormings.

Nesse sentido, levantar o histórico desse problema e as perdas por conta desse problema é uma das partes mais importantes dessa etapa. 

  • Observação do problema

Nessa etapa, a pergunta a ser respondida é: “Como esse problema está acontecendo?”. Ferramentas como Diagrama de Pareto podem auxiliar na resolução dessa pergunta.

Geralmente, é a etapa mais demorada do Plan, pois precisa de uma validação de vários membros e da observação prática do problema nos processos. Porém, após essa etapa, a equipe responsável pelo PDCA poderá responder de maneira mais assertiva o orçamento para realização do problema e a meta principal do PDCA.

Saiba como diminuir os principais erros do seu processo com o mapeamento de processos!

  • Análise do problema

Após essa etapa, a dúvida que deve estar respondida é: “Por que esse problema está acontecendo?”. Métodos como 5 Porquês e Diagrama de Ishikawa são ótimos para responder perguntas como essa.

Nessa etapa, o problema é dividido em suas causas e a busca pela causa-raiz é um dos pontos mais importantes. Outro ponto crucial dessa etapa é a relevância das causas, para que não haja desvio de esforços com causas não tão importantes e irrelevância de causas importantes.

  • Plano de ação

A etapa de planos de ação responderá o questionamento: “Quais passos tomar para resolver o problema?”. A resposta dessa pergunta se torna bem complexa e, para isso, a utilização de métodos, como 5W2H ou uma listagem de planos de ação, auxiliará de maneira muito positiva na organização e planejamento desses próximos passos.

Nessa etapa, serão criadas as ações necessárias para resolver o problema, designando datas e responsáveis por cada ação.

Fazer (do):

A etapa Fazer é a parte prática do PDCA, o momento em que os planos de ação e planejamentos da etapa anterior vão ser postos em prática. Antes de iniciar essa etapa, todos os envolvidos com o PDCA devem passar por treinamento para garantir o alinhamento da equipe.

Caso o planejamento (etapa anterior) tenha sido feito de maneira correta, essa etapa não deverá apresentar problemas. Caso ocorram, provavelmente o planejamento foi feito de maneira não assertiva.

Além disso, o acompanhamento das atividades também está incluído na etapa Fazer. Por isso, aplicar os planos de ação e perceber se eles estão no andamento correto é essencial para a realização das próximas etapas. 

Além disso, a documentação durante esse processo é uma das maneiras de garantir o acompanhamento e o bom andamento das próximas etapas.

Checar (check):

A próxima etapa do PDCA é Checar e é uma etapa de revisão e análise. Assim, identificar o que consta no Planejar e a diferença para o que realmente aconteceu no estágio de Fazer é um dos principais pontos do Checar.

Sendo assim, para realizar a checagem de forma objetiva, existem duas opções: fazer a checagem durante a etapa Fazer ou realizar após a mesma. As duas maneiras são corretas e dependem muito de como o PDCA está ocorrendo no processo e qual o tipo de processo.

Além disso, a medição e avaliação do que se passou é outro ponto de muita atenção, pois com ele é possível analisar o cumprimento das etapas com os padrões de qualidade intencionais. Nesse sentido, a melhor maneira de fazer essa análise é estatisticamente, com ferramentas e métodos estatísticos usados para relacionar os dados dos problemas com os resultados obtidos.

Entenda o que consiste Gestão de Qualidade!

Agir (act):

A última etapa do PDCA é uma etapa de reflexão e de pensamento futuro. Nesse período, deve se pensar na apresentação dos resultados, nos novos problemas encontrados durante todo ciclo e no aprendizado que o processo gerou.

Dessa forma, a etapa Agir é muito importante, pois é nela que ocorrerá a virada no ciclo PDCA, terminando um e iniciando outro. Para esse giro no método PDCA, algumas ações devem ser tomadas:

  • Padronização

Nessa fase do Agir, os resultados positivos e negativos devem passar por análise. Além disso, padroniza-se os positivos e se ressalta os negativos como candidatos para novos ciclos do PDCA.

Sendo assim, a padronização é uma etapa muito importante para que o que foi feito não se perca e que o problema solucionado não volte a aparecer. Algumas ferramentas para padronização do processo podem facilitar essa situação, como a ferramenta POPs e o Mapeamento de Processos.

  • Conclusão

Essa é uma fase de revisão geral do que ocorreu em todo PDCA, documentação de todo o processo, identificação do que pode melhorar e análise dos resultados obtidos.

Nesse sentido, toda a documentação, reflexão e análise ajudará a equipe a pensar em passos futuros e a criar um novo ciclo PDCA com os insights gerados. 

PDCA e PDSA: qual a diferença?

Uma metodologia provinda do PDCA é o PDSA, também criada por Edwards Deming. Nesse sentido, o PDSA é um método com o mesmo intuito do PDCA: realizar a melhoria contínua. Porém, com a mudança de uma letra: o C (Check) do PDCA se tornou S (Study) no PDSA, que tem como significado estudar.

Sendo assim, a diferença de apenas uma letra na sigla representa uma mudança mais robusta no processo. Com essa mudança, o processo intermediário se tornou mais completo e mais aprofundado.

Nessa nova etapa, ao invés de haver apenas a checagem do que foi e está acontecendo no planejamento, indica-se realizar um aprofundamento nos fatos por meio de estudos. Pode-se considerar o PDSA como uma evolução do PDCA, pois se substitui o simples fato de checar por uma análise muito mais desenvolvida baseada em estudos.

PDCA: quais os benefícios de adotar em sua empresa?

O PDCA é uma ferramenta de resolução de problemas, que auxilia qualquer processo com uma melhoria contínua. Nesse sentido, é uma ferramenta intuitiva e com fácil aplicação, que pode gerar resultados expressivos para os envolvidos.

Além disso, a facilidade de aplicação do PDCA é um dos pontos mais relevantes dessa metodologia, pois permite a aplicação em um processo muito simples ou mais robusto e complexo. Muitas vezes, o resultado aparece rapidamente, com economia, redução de desperdícios e melhoria na qualidade.

Portanto, a aplicação do PDCA irá garantir identificação de melhorias e problemas no processo baseado em uma metodologia de melhoria contínua. Com a aplicação e prática correta do PDCA, a eficiência e produtividade nos processos cresce, gerando lacunas para cortes de gastos e aumentando a lucratividade do processo.

voltar ao topo

Saiba mais