DRE: CONHEÇA A SUA ESTRUTURA E MANEIRAS DE ANALISAR

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

DRE - EPR Consultoria

 

A DRE é uma demonstração extremamente importante para as empresas entenderem a saúde de sua operação em determinado período. Dessa maneira, nesse texto, você entenderá o conceito de DRE, assim como qual a sua finalidade e os seus benefícios.

Além disso, quanto à estrutura, você entenderá quais pontos devem ser abordados no documento, como ele deve ser feito. Por último, também vai conferir como deve analisá-lo de forma que insumos sejam coletados para o seu negócio. Boa leitura!

 

O que é DRE?

A DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) corresponde a um relatório contábil que apresenta as operações financeiras da empresa em um determinado período de tempo, além de apresentar o resultado apurado, demonstrando se houve lucro ou prejuízo. De forma técnica, a DRE é aplicada dentro do regime por competência para avaliar o que forma o resultado líquido do exercício da empresa.

Sendo assim, é um relatório elaborado anualmente conforme obrigações legais para divulgação. Porém, também é gerado em períodos mais curtos, como mensalmente, pois auxilia os gestores de diversos níveis da empresa em análises relacionadas à operação e aos resultados da empresa conforme comparação entre receitas e despesas

 

DRE e balanço patrimonial: entenda a relação

Juntamente com a DRE, o Balanço Patrimonial também é desenvolvido. 

Dessa forma, o Balanço Patrimonial consiste em um relatório contábil, assim como o DRE. Porém, ele contempla toda a situação financeira da empresa, apresentando a situação contábil e econômica em determinado período.

O Balanço Patrimonial é um dos documentos mais importantes das organizações, pois é fundamental para que você saiba se a saúde da empresa está em dia. Nesse sentido, ele informa toda a situação patrimonial, compilando todos os bens, recursos, direitos e obrigações que pertencem ao negócio. Além do mais, permite identificar todos os investimentos e suas fontes de recursos.

É por isso, então, que o Balanço Patrimonial é elaborado conjuntamente ao relatório da DRE. Afinal, ambos os documentos trazem excelentes informações sobre a saúde da empresa e auxiliam no planejamento estratégico e tomada de decisões.

 

Qual a finalidade da DRE?

Conforme o período selecionado, a DRE apresenta a relação entre os dados de receitas e de despesas da empresa, avaliando qual o resultado líquido existente. Assim, evidencia se há um bom desempenho ou não na situação atual da operação da empresa em questão, o que auxilia tanto pessoas do ambiente interno quanto externo à empresa.

Dessa maneira, a DRE é um grande instrumento de auxílio para os administradores das empresas, pois conforme o acompanhamento deste relatório, eles conseguem avaliar a evolução das receitas e despesas do negócio. E então, a partir disso, é possível refletir sobre a necessidade de revisão de gastos existentes, o que pode causar uma ação de cortes ou reduções dentro da operação, visando maior faturamento.

Além dessa parte mais administrativa e estratégica, a DRE também serve para agentes do ambiente externo à empresa, como o Governo, que verifica se os cálculos referentes aos impostos foram feitos corretamente. Dessa forma, ele confere lucros evidenciados na DRE com lucros declarados pelos sócios no IRPF. Além disso, o relatório também é muito importante no momento de buscar investimentos ou auxílios financeiros, em que bancos e analistas financeiros podem se interessar pelo documento para avaliar a situação do negócio.

 

Quais os benefícios de aplicar a DRE?

Quanto aos benefícios proporcionados pela aplicação da DRE, o mais nítido se refere a auxiliar a gestão da empresa na compreensão da saúde financeira do negócio, avaliando se está gerando lucro ou prejuízo na operação. A partir disso, a tomada de decisão é facilitada e os gestores possuem um norte sobre de que forma devem proceder.

Além disso, com essa visão mais nítida sobre a situação financeira do negócio, os gestores podem atuar de forma mais estratégica tendo em vista, principalmente, melhorar a saúde do negócio. Assim, são garantidos maiores lucros à operação, reduzindo pontos de gastos desnecessários ou que ocasionam prejuízos, de forma que se dê um grande enfoque à cadeia de valor.

 

Qual a estrutura da DRE?

A Demonstração do Resultado do Exercício é obrigatória para as empresas do Brasil conforme a Lei  n° 11.638/07, publicada em 27 de dezembro de 2007, e deve se estruturar da seguinte forma:

 

Estrutura DRE

 

Essa estrutura acima é o padrão, no entanto, há variações quanto ao detalhamento que deve ocorrer conforme a realidade da cada empresa. E abaixo está a explicação referente a cada tópico:

 

  1. Receita de Vendas: se refere ao valor faturado pela empresa no período, com a entrada de dinheiro no caixa ou entrada de dinheiro ou direitos no patrimônio da empresa  conforme venda de produtos, prestação de serviços, entre outros.

  2. Deduções de Impostos: é o valor relacionado aos abatimentos de impostos que estão incidindo diretamente sobre a venda, como ICMS, ISS, entre outros.

  3. Receita Líquida: é o resultado das receitas de vendas menos as deduções.

  4. Custos de Venda: são os gastos referentes à fabricação dos produtos ou fornecimento de serviços e, por exemplo, nesse ponto são contabilizados gastos como a matéria-prima. Esses custos são divididos da seguinte forma conforme a realidade da empresa: CPV (Custo de produtos vendidos), CMV (Custos de mercadorias vendidas) e CSP (Custo dos Serviços Prestados).

  5. Lucro Bruto: corresponde à diferença entre a receita líquida e o gasto na produção.

  6. Despesas Administrativas: são gastos necessários para manter a empresa funcionando mesmo que não existam vendas, como luz, água, aluguel, telefone, internet, entre outros.

  7. Despesas com Vendas: se referem a custos pós-venda e a comissões.

  8. Despesas Financeiras: são gastos com juros e/ou multas e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

  9. Resultado antes do IRPJ e CSLL: é o resultado sem considerar o impacto dos impostos sobre o faturamento da empresa.

  10. IRPJ e CSLL: impostos sobre o faturamento IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido).

  11. Resultado Líquido: último ponto se refere ao resultado líquido do exercício. É encontrado a partir da consideração de todos os ganhos e todos os gastos em determinado período. É muito importante, pois pode representar um prejuízo que deve ser diluído nos próximos exercícios ou um ganho, possibilitando a realização de financiamentos, investimentos e/ou a divisão do valor entre sócios, acionistas e funcionários.

 

Como fazer a DRE de uma empresa?

Devendo ser estruturada da forma mais simples e intuitiva possível conforme a realidade do negócio, a DRE deverá servir para que todos os gestores da empresa, financeiros ou não, possam avaliar os dados do relatório de forma que a receita líquida seja potencializada. 

Além disso, é essencial que a DRE seja realizada com um contador que seja habilitado junto ao CRC, pois nela deve haver uma sequência de informações seguindo o padrão legal já comentado acima. Por último, vale destacar que o contador terá domínio e controle da utilização da ferramenta, facilitando o estudo por parte dos gestores.

 

Como analisar a DRE?

Após a compreensão de diversos aspectos referentes aos conceitos, benefícios e estrutura da DRE, agora devemos entender de que forma podemos analisar esse relatório que é tão importante com informações fundamentais.

E para essa análise, existem diferentes técnicas para o proveito das informações fornecidas pelo relatório da DRE, sendo a Análise Horizontal e Análise Vertical, que estão descritas nos tópicos abaixo.

 

Análise Horizontal

A Análise Horizontal se refere à compreensão de cada uma das contas individualmente, visando entender e avaliar se houve aumento ou diminuição de receitas, custos e despesas ao longo do tempo analisado. A variação dessas contas conforme o tempo apresenta à empresa se está havendo um crescimento, uma constância no patamar em que está ou se o negócio está encolhendo. 

Essa análise visa o monitoramento da produtividade e da rentabilidade do negócio em períodos diferentes, podendo ser feito mês a mês conferindo a evolução das contas. Uma possibilidade de análise é para avaliar se determinado produto está sendo lucrativo ou não. E, conforme resultados de vendas e incidência de impostos na DRE, a empresa pode avaliar se há potencial de mercado para manter vendas e investimentos.

 

Análise Vertical

A Análise Vertical auxilia em relacionar um elemento da DRE com a categoria que o integra, como na comparação que cada conta de receitas, custos ou despesas representa quando comparada com a Receita Bruta. Além disso, permite a comparação de resultados financeiros entre mercadorias.

Dessa maneira, a análise vertical facilita o monitoramento das receitas, custos e despesas ao longo do tempo e se os percentuais estão conforme o esperado. Assim, caso haja algo de diferente, a identificação é rápida e eficaz sobre quais itens estão afetando os resultados e necessitam de ajustes, como, por exemplo, despesas crescentes que estão reduzindo o lucro do período.

 

Qual a importância da Margem de Lucro para a análise?

Em até 2 parágrafos, informar sobre o conceito de margem de lucro e como fazer esse cálculo.

A margem de lucro corresponde à proporção do lucro da empresa dividido por sua receita, em que sempre é apresentado como uma porcentagem e sinaliza o quão bem uma empresa utiliza sua renda. 

 

Além disso, a margem de lucro pode ser dividida em três: 

  1. Margem de lucro bruto (Receita de venda de mercadorias – Custo de Mercadorias), 
  2. Margem de lucro operacional (Receita total – Despesas comerciais), 
  3. Margem de lucro líquido (Receita total – Todos os custos).

 

Quando uma empresa apresenta uma margem de lucro alta, significa que está gerando muito lucro a cada real de receita que recebe. Por sua vez, quando possui uma porcentagem baixa, significa que a empresa gera pouco lucro e seus custos estão muito altos, reduzindo o lucro para cada real recebido.

 

Quer mais conteúdo de qualidade para cuidar do financeiro da sua empresa? Então leia, também, o nosso artigo sobre planejamento financeiro empresarial!

voltar ao topo

Saiba mais