HISTOGRAMA: SAIBA ONDE ESSE GRÁFICO DE QUALIDADE PODE SER APLICADO

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

Capa do post de Histograma

O Histograma, também conhecido como Diagrama de Dispersão, é uma representação gráfica de um conjunto de dados que são previamente tabulados e divididos em classes. Portanto, é uma das ferramentas que fornecem um caminho para avaliar a distribuição dos dados. Sendo assim, o histograma permite verificar como um processo se comporta em relação a sua especificação.

Siga a leitura do texto para descobrir as funções da ferramenta, benefícios que ela traz, tipos de histograma, como fazer um histograma e muito mais.

O que é histograma?

O histograma é um gráfico de barras que demonstra a distribuição de dados e frequências. A base de cada uma de suas barras representa uma classe e a altura a frequência em que a classe ocorre.

Ele pode ser considerado um indicador da variabilidade do processo, pois tem como objetivo demonstrar como uma determinada amostra de dados está distribuída. Assim, está ligado à engenharia da qualidade.

Dessa forma, é distribuído em dois eixos. O horizontal é dividido em pequenos intervalos, assumindo o valor da variável, por sua vez o vertical é proporcional a frequência da amostra de determinada classe.

Qual a diferença entre gráfico de barras e histograma?

O gráfico de barras e o histograma são muito semelhantes, principalmente aos que representam dados contínuos. A maior diferença entre eles é que o gráfico de barras possui espaços entre as colunas e o histograma não. Isso acontece pelo tipo de informação que cada um deve representar.

Ou seja, o histograma mede a distribuição das frequências ou dos intervalos, enquanto o gráfico de barra mede apenas uma certa informação, e não um grupo de dados.

Diferença entre o Gráfico de Barras e o Histograma

Qual a função do histograma?

O histograma pode ser útil para as mais diversas funções, entre elas: 

  • Resumir uma grande variedade de dados graficamente, 
  • Comparar os resultados de um processo com seus limites de especificação, 
  • Comunicar informações graficamente,
  • Verificar não conformidades, 
  • Auxiliar em alguma tomada de decisão.

Assim, a análise de dados pode ficar muito mais acessível, de modo que as informações são apresentadas de forma visual e de fácil entendimento. Dessa forma,é possível determinar rapidamente se o processo é capaz de produzir produtos de qualidade, empregando uma ferramenta adequada para comunicar as informações.

Quais são os benefícios de usar o histograma?

Entre os diversos benefícios do histograma, os principais são: rapidez e simplicidade de elaboração, verificação de não-conformidades, entendimento da distribuição e  distinção de diversos dados como amplitude, simetria e distribuição.

Dessa forma, é possível reduzir custos e o tempo empregado na inspeção de qualidade e assim, garantir uma melhor gestão de resultados.

Quais são os tipos de histogramas?

Um histograma pode se distribuir de diversas maneiras diferentes, possuindo variados tipos e configurações.

Abaixo se encontram os seis tipos de histograma e suas especificações relacionadas ao fluxograma de processos.

Simétrico ou normal

O histograma simétrico também é conhecido como “distribuição normal”. Recebe esse nome pois apresenta a frequência mais alta no centro e vai diminuindo de acordo com a aproximação das bordas de ambos os lados.

Geralmente são utilizados para representar dados médios, usados como comparativos para outras informações de pesquisa. Em linhas de produção, são processos estáveis e padronizados.

Exemplo de Histograma do tipo Simétrico

Assimétrico

Assim como o histograma simétrico, o assimétrico possui apenas um pico em destaque, o que indica uma grande variação entre os dados.

Em um geral, o gráfico assume uma forma assimétrica quando exerce o controle de apenas um limite de especificação e é controlado durante todo o processo.

Exemplo de Histograma  do tipo Assimétrico

Despenhadeiro

O histograma despenhadeiro concentra seus valores mais altos à direita ou à esquerda do gráfico, com seu valor médio distante do centro, fora da faixa de especificação.

É usado quando há ausência de alguns dados da estatística, desta forma, ocorre um corte na figura, passando a impressão de que o histograma está incompleto.

Exemplo de Histograma do tipo Despenhadeiro

Dois picos

Também chamado de gráfico bimodal, caracteriza-se por ter dois picos, ou seja, frequências mais elevadas que as demais em regiões diferentes. Portanto, nesse gráfico há mais de uma frequência alta nos dados.

Tal histograma ocorre sempre que há uma mistura de dados distintos. Essa mistura se refere a quando os dados coletados são obtidos em condições muito diferentes, em qualquer parte do processo.

Exemplo de Histograma do tipo Dois Picos

Achatado

Conhecido como platô, tal histograma é característico por apresentar frequências bem próximas umas das outras, em níveis equivalentes. Sendo assim, ele ocorre quando há uma mistura de distribuições com médias diferentes entre si.

Exemplo de Histograma do Tipo Achatado

Pico Isolado

Por fim, o pico isolado é característico por apresentar uma barra com grande destaque em relação às demais. Ele deixa bem claro que existem dois processos, ou dois problemas isolados em relação à causa.

Este perfil ocorre quando há uma inclusão de dados de uma distribuição distinta, como uma anormalidade no processo, erro de medição ou inclusão de dados de um processo paralelo.

Exemplo de Histograma do tipo Pico Isolado

Como fazer um histograma?

Para construir esse gráfico, é necessário realizar um fluxograma de processo que necessita inicialmente determinar, calcular qual será a amplitude do gráfico, determinar o tamanho da demanda desejada e calcular seus intervalos e limites.

Para isso, é preciso dividir os dados em intervalos de tamanhos iguais e contar o número de observações presentes em cada um dos intervalos. Dessa maneira, o gráfico construído será o mais preciso possível.

Como se lê um histograma?

Para ler um histograma da melhor forma possível, é necessário avaliar as características chave, procurar por indicadores de dados incomuns ou anormais, avaliar o ajuste da distribuição e avaliar e comparar os grupos.

Ou seja, inicialmente deve-se examinar os picos e a dispersão da distribuição para entender o quanto os dados variam e então procurar dados incomuns no processo. Quando os dados são assimétricos, a maior parte dos dados está localizada no lado superior ou inferior do gráfico.

Desta forma, entendendo como o histograma funciona, torna-se mais fácil e prático entendê-lo e utilizá-lo no dia a dia de forma mais eficaz.

O diagrama de pareto é outra ferramenta de qualidade que traz diversas vantagens para sua rotina de trabalho. Saiba mais sobre esse recurso conferindo o nosso artigo!

voltar ao topo

Saiba mais