MANUTENÇÃO PREVENTIVA: O QUE É, VANTAGENS E QUANDO APLICAR

Tempo de Leitura: 9 minutos

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

Manutenção Preventiva - EPR Consultoria

 

A manutenção preventiva é a manutenção realizada de maneira planejada e em intervalos predeterminados. Ela é muito importante para garantir a eficiência dos equipamentos em operação, garantindo a qualidade dos produtos.

Nesse contexto, ter conhecimento sobre manutenção preventiva é necessário para evitar prejuízos no seu negócio. Portanto, por meio desse texto, você compreenderá as vantagens e desvantagens da manutenção preventiva, quando e como implementá-la, além de saber diferenciá-la da manutenção corretiva e da manutenção preditiva.

 

O que é manutenção preventiva?

A manutenção preventiva é um conjunto de atividades de revisão, controle e monitoramento dos equipamentos realizadas de maneira planejada e em intervalos predeterminados. Portanto, todas as etapas desse tipo de manutenção são definidas com antecedência, de forma que a intervenção ocorre antes do surgimento de uma falha.

Esse tipo de manutenção fundamenta-se em alguns critérios, também chamados de “gatilhos”, os quais dependem do maquinário e do tipo de produção adotado pela empresa. Dessa forma, quando esses parâmetros são definidos, a manutenção deve ser realizada. São eles:

  • Tempo: intervalos predeterminados, definidos pela empresa ou recomendados pelo fabricante do equipamento. Por exemplo, realizar calibragem a cada 6 meses.
  • Horas de funcionamento: quanto o equipamento pode estar em operação. Por exemplo, realizar a lubrificação de uma máquina a cada 200 horas de operação.
  • Produtividade: quantidade de itens produzidos. Por exemplo, realizar a substituição da serra de uma máquina de corte a cada 1500 peças produzidas.
  • Misto: é a junção dos gatilhos citados anteriormente, o que ocorrer primeiro acarreta a manutenção.

 

Qual a diferença entre manutenção preventiva e preditiva?

Uma situação comum é a confusão entre manutenção preventiva e preditiva. A manutenção preventiva não leva em consideração o real estado de funcionamento do equipamento. Ou seja, ela ocorre de forma programada com base em um cronograma e em informações mais genéricas, tal qual a recomendação do fabricante. 

Por sua vez, a manutenção preditiva é capaz de fazer o diagnóstico preciso de quando um componente irá falhar. Dessa forma, é possível obter um melhor aproveitamento da vida útil do elemento, antes da manutenção ser realizada. 

Portanto, a manutenção preventiva é bastante recomendada quando o risco de falhas pode gerar alto impacto negativo. Por exemplo, para evitar ou adiar surpresas quanto ao funcionamento do motor de um carro, a troca de óleo do motor deve ser periódica, para mantê-lo lubrificado. 

Enquanto isso a manutenção preditiva busca encontrar o momento ideal para realizar o devido ajuste, evitando custos desnecessários. Logo, o acompanhamento quanto ao funcionamento de uma máquina, por exemplo, frequentemente acontece. Porém nem sempre com necessidade de intervenções, evitando parada de produção e investimentos significativos em manutenções preventivas e/ou corretivas.

 

E qual a diferença entre manutenção preventiva e corretiva?

Conforme mencionado anteriormente, a manutenção preventiva busca evitar a ocorrência de falhas no equipamento. Em contrapartida, a manutenção corretiva é realizada quando a quebra da peça ou a queda de eficiência já ocorreu, havendo necessidade de correção imediata. É importante ressaltar que a manutenção corretiva não possui necessariamente caráter inesperado, já que pode-se optar por realizar o reparo após a ocorrência da falha, com o auxílio de previsões.

A falta de regularidade para acompanhamento de indicadores quanto ao funcionamento de uma peça, por exemplo, pode indicar custos altos e desperdícios desnecessários para uma empresa. O impacto que a manutenção corretiva pode ter para a produção de uma fábrica pode ser enorme. Considerando que apenas a única ponte-rolante para movimentar vergalhões de aço em uma indústria siderúrgica estraga, além do custo altíssimo para consertá-la, toda a produção para pela dependência da máquina estragada.

Por isso, a manutenção preventiva e/ou preditiva são importantes para evitar impactos que desestabilizem a produção de uma fábrica, por exemplo. Além disso, também se tornam fundamentais para evitar ou adiar falhas que podem atingir a saúde de um operador.

 

Qual é o objetivo da manutenção preventiva?

Com o passar do tempo, a performance do equipamento decai. Nesse cenário, a manutenção preventiva tem o objetivo de reduzir a probabilidade de falha ou degradação do equipamento ao atuar antes da ocorrência do problema. Dessa forma, a vida útil do dispositivo é preservada e as paradas repentinas na cadeia produtiva são evitadas.

Além disso, sabe-se que equipamentos desgastados prejudicam a qualidade e a velocidade da produção. Portanto, a manutenção preventiva é relevante para evitar não só a baixa eficiência dos equipamentos em operação, como também permite manter a capacidade produtiva de uma fábrica de carros, por exemplo.

 

Quer saber mais sobre qualidade? Clique aqui!

 

Quais são as falhas evitadas pela manutenção preventiva?

A manutenção preventiva evita falhas relacionadas ao envelhecimento e desgaste do equipamento, as quais possuem prazo variado de incidência. Em geral, elas podem ser classificadas em dois grupos:

 

Falha Potencial

Esse tipo de falha se refere a quando o equipamento apresenta algum defeito, mas ainda assim consegue desempenhar a sua função. Apesar de o problema estar em estágio inicial, se não solucionado, a eficiência do equipamento vai diminuindo ao longo do tempo, culminando em uma falha funcional.

 

Falha Funcional

A falha funcional é um estágio mais avançado da falha potencial e faz com que o equipamento seja impossibilitado de desempenhar a sua função. Dessa forma, o equipamento enquadra-se no estado de operação abaixo do nível definido como satisfatório ou de completa perda de função.

Nesse contexto, a manutenção preventiva é feita antes ou imediatamente depois da falha potencial ocorrer. Isso evita com que o equipamento chegue no estágio de falha funcional. Além disso, quanto mais próximo do estágio inicial da falha potencial a manutenção for feita, menor é o custo por falta de aproveitamento da vida útil da peça.

 

Quais são as vantagens e desvantagens da manutenção preventiva?

A manutenção preventiva possui vantagens e desvantagens, as quais devem ser levadas em consideração para implementá-la na sua empresa.

 

Vantagens:

  • Aumento da vida útil dos equipamentos pela redução a exposição a falhas e desgastes;
  • Redução de acidentes de trabalho, já que equipamentos operando corretamente promovem maior segurança;
  • Tempo disponível para a montagem de orçamento pela análise da relação custo-benefício dos materiais a serem comprados;
  • Garantir a qualidade dos produtos e a capacidade produtiva;
  • Maior agilidade na resolução de problemas, pois com a revisão periódica pode-se detectar falhas em sua fase inicial;
  • As paradas na produção para manutenção, por serem planejadas, podem ser efetuadas em um momento que minimize as perdas.

 

Desvantagens:

  • Requer trabalho constante de manutenção e registro das intervenções feitas;
  • Possibilidade de introdução de erros na hora de realizar a manutenção;
  • Pode acarretar gastos desnecessários a partir da manutenção de peças boas, que demorariam a apresentar falhas.

 

Quando devo fazer um plano de manutenção preventiva?

A manutenção preventiva, conforme citado anteriormente, deve ser usada quando equipamentos possuem falhas relacionadas ao tempo e ao uso, em que há um padrão para a ocorrência de defeitos. Assim, é possível seguir um planejamento e manter a periodicidade, com base em análises estatísticas sobre o funcionamento esperado do equipamento e a recomendação dada pelo fabricante.

Além disso, pela relação custo-benefício, recomenda-se que a manutenção preventiva seja aplicada em equipamentos de prioridade média para o fluxo produtivo. Quando esse tipo de equipamento falha, geram prejuízos, mas há baixo risco de acidentes e podem ser consertados rapidamente. Segue abaixo um diagrama comparativo em relação a quando é recomendado utilizar cada tipo de manutenção:

Manutenção Preventiva

 

Como fazer um planejamento de manutenção preventiva?

Um bom planejamento da manutenção preventiva é importante para evitar desperdícios de recursos como materiais, mão de obra e tempo. Para fazer um plano de manutenção preventiva na sua empresa, recomenda-se seguir os seguintes passos:

 

1. Levantamento de informações

Inicialmente é necessário fazer um levantamento de informações acerca de todas as máquinas em funcionamento, como o histórico de intervenções já realizadas. Essa etapa é importante para definir quais equipamentos serão prioridade para a manutenção preventiva, bem como para identificar padrões que definirão a periodicidade das intervenções.

 

2. Análise dos custos

Nessa etapa é feito o orçamento. Deve-se levar em consideração os custos com materiais necessários, quantidade de colaboradores que irão realizar a manutenção, encargos trabalhistas e uso de softwares para a gestão da manutenção. Além disso, é importante atentar para o custo-benefício da ação, já que optar por comprar peças muito baratas e sem qualidade, por exemplo, pode gerar prejuízos futuramente.

 

3. Montagem de cronograma

O cronograma é importante para o registro do planejamento realizado. Nele, deve constar a frequência de manutenção, quando ela será realizada, quem será o responsável por fazer a intervenção, em quanto tempo a manutenção preventiva deve ser feita, além dos recursos necessários para tal atividade.

 

4. Criar check-list de manutenção

Esse check-list servirá para garantir que a manutenção preventiva foi executada corretamente no equipamento. É uma verificação de que a máquina pode voltar à produção com confiabilidade e segurança.

 

5. Acompanhamento da atividade de manutenção

A gestão da manutenção deve estar atenta ao andamento das atividades de manutenção preventiva. Ademais, conversar com os operadores das máquinas que sofreram manutenção e estruturar KPI’s é indispensável para identificar eventuais oportunidades de melhoria no plano de manutenção.

 

Exemplos de manutenção preventiva

Segue abaixo alguns exemplos de atividades de manutenção preventiva dos equipamentos:

 

  • Inspeção Sensitiva

A equipe de manutenção realiza a inspeção por meio dos sentidos (tato, olfato, paladar, audição ou visão), buscando identificar uma anormalidade no funcionamento do equipamento. Esse tipo de inspeção não garante a identificação de falhas potenciais.

  • Inspeção Instrumentada

Esse tipo de inspeção é feito com o auxílio de instrumentos de fácil manuseio, como o termômetro. O objetivo é a identificação de anormalidades e possíveis falhas. Diferentemente da inspeção sensitiva, a inspeção com instrumentos permite a identificação de falhas potenciais em seu estágio inicial.

  • Substituição de itens desgastados, limpeza, ajustes e lubrificações 

Essas atividades de manutenção preventiva garantem a reconstituição do estado inicial do equipamento. O objetivo é garantir com que o equipamento continue desempenhando a sua função normalmente.

 

 

Você já ouviu falar em manutenção produtiva total? Saiba tudo sobre a filosofia TPM com o nosso artigo!

voltar ao topo

Saiba mais