SISTEMA DE PRODUÇÃO PUXADA: CONHEÇA AS SUAS VANTAGENS E DESVANTAGENS

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

Conhecer os sistemas de produção, sabendo o que é produção puxada e empurrada, é essencial para desenvolver um planejamento assertivo do seu negócio e destacar-se no mercado. 

Para isso, é necessário entender a definição desses sistemas, de modo que podemos conhecer as  suas vantagens e desvantagens, além de saber como implementá-los, tópicos que serão abordados a seguir.

O que é sistema de produção puxada?

Sistema de Produção Puxada é um dos sistemas de produção que possibilita uma melhor utilização dos recursos e gerenciamentos dos processos produtivos. Também chamado de Pull Start System, esse sistema visa a eliminação de desperdícios e excessos, compondo um dos pilares da metodologia Just In Time.

Assim, a produção puxada controla os processos produtivos através de um fluxo que ‘puxa’ as atividades realizadas no processo anterior, avisando as necessidades do processo subsequente. Além disso, esse sistema de produção não utiliza estoques, e a demanda do cliente é a referência para iniciar a produção.

Com isso, o sistema de produção puxada utiliza as técnicas Lean para evitar desperdícios e garantir uma maior qualidade final. Esse modelo de trabalho mais dinâmico e flexível, que avisa a atividade seguinte sobre a operação anterior, geralmente utiliza cartões Kanban e possui uma agilidade nos processos.

Qual a diferença entre puxar a produção e empurrar a produção?

Os sistemas de produção puxada e empurrada são metodologias opostas, que devem estar de acordo com o funcionamento da empresa. Diferente da produção puxada, o sistema de produção empurrada leva em consideração a previsão de demanda e para isso utiliza estoques e um sistema de lotes.

Enquanto a produção puxada enfatiza a qualidade da produção, a empurrada leva em consideração a quantidade e agilidade na entrega dos produtos. Além disso, a produção empurrada, em inglês, Push System, realiza a previsão de demanda de acordo com históricos de vendas ou análises de mercado. Enquanto isso, na produção puxada leva-se em conta a demanda diretamente do cliente.

Produção Puxada

Quais são as vantagens e desvantagens da produção puxada?

A produção puxada tem uma série de vantagens e desvantagens, as quais devem ser levadas em conta na escolha de um sistema de produção para sua empresa. Seguem as vantagens e desvantagens de puxar a produção:

Vantagens

  • Sem custos com estoque;
  • Eliminação de desperdícios;
  • Sem produção em excesso;
  • Operação mais eficiente e lean;
  • Maior qualidade do produto final;
  • Agilidade dos processos;
  • Melhor controle do inventário;
  • Aumento da produtividade;

Desvantagens

  • Possibilidade de atrasos nas entregas;
  • Pode ser influenciado por demandas fora do padrão;
  • Falta de previsibilidade e controle da operação;
  • Ociosidade de mão de obra em períodos de baixa demanda;
  • Sobrecarga de mão de obra em períodos de alta demanda;
  • Dependência da produção a aspectos internos e externos;

Dessa forma, é possível obter uma produção mais personalizada que a produção empurrada, com uma maior qualidade no final e com menos custos, tanto provenientes pelo estoque quanto pelos desperdícios.

Quais são os tipos de produção puxada?

A produção puxada pode ser definida em três diferentes tipos: Sistema puxado com supermercado, sistema puxado sequencial e sistema puxado misto sequencial e com supermercado.

Para desenvolver o sistema puxado ideal para o seu negócio, é preciso entender as variações de cada modelo e a partir disso identificar qual a melhor opção a ser implementada. Confira, abaixo, os modelos de produção puxada:

Sistema puxado com supermercado

O sistema puxado com supermercado, também conhecido como sistema de reposição ou sistema puxado tipo A, é um dos sistemas mais utilizados da produção puxada.

É aplicado quando se trabalha com um estoque mínimo. No momento em que o produto é retirado desse estoque, o kanban avisa ao processo fornecedor para que o item seja produzido e reposicionado. Assim, cada processo produz o que é retirado da sua ‘prateleira’ para repor as unidades correspondentes.

Sistema puxado sequencial

O sistema puxado sequencial, também chamado de sistema puxado tipo B, é aplicado quando se há uma grande variedade de peças para armazenar no supermercado. Com isso, o estoque total é minimizado, realizando a produção sob encomenda.

No sistema sequencial, a relação do mix e quantidade de produtos a serem produzidos devem ser claras. Dessa forma, pode-se utilizar cartões kanban em uma heijunka box, ou seja, uma “lista sequencial” com as instruções para produção e seguir a metodologia FIFO.

Além disso, o lead time da produção deve ser muito curto e menor que o lead time do pedido, exigindo uma maior atenção e rigidez aos processos.

Sistema puxado misto sequencial e com supermercado

O sistema puxado misto, também conhecido como sistema puxado do tipo C, é utilizado mesclando as especificações dos sistemas explicados anteriormente. Assim, é aplicado quando atende a regra 80/20, ou seja, quando 20% dos produtos representam 80% do volume de produção diário.

Com isso, mesmo apresentando uma demanda mais complexa e variada, o sistema puxado misto consegue atender as especificações de cada processo levando em consideração os benefícios de cada um deles.

Como implementar a produção puxada?

Para implementar o sistema de produção puxada deve-se seguir alguns passos para garantir a aplicação eficiente desse sistema. Abaixo os principais tópicos a serem seguidos para colocar em prática a produção puxada na sua empresa. Confira!

  1. Mapear os processos: o primeiro passo é mapear todo o fluxo produtivo, desde a chegada da matéria prima até a expedição do produto final. Assim, com os processos padronizados, organizados e com a visualização do andamento dos processos inicia-se a implementação da produção puxada.
  2. Implementar Kanban: o próximo passo é realizar o controle da produção, através de cartões Kanban. O cartão deve ser utilizado para acompanhar o andamento do processo, sendo atualizado no quadro sempre passa para a próxima etapa do processo produtivo. Assim, a visualização da operação dentro do fluxo será de fácil controle com um acompanhamento dos cumprimentos dos prazos.
  3. Começar a produção puxada: agora já podemos iniciar a produção puxada. É uma das etapas mais difíceis, já que as máquinas só irão produzir com a chegada do pedido através dos clientes.
  4. Mensurar os resultados: o último passo da implementação da produção puxada é o controle constante dos resultados. Aqui é necessário monitorar a linha produtiva, com métricas claras como a produtividade dos funcionários, lead time e entregas dos pedidos, e então ir aprimorando todos os processos.

Exemplo de produção puxada

A produção puxada é o modelo ideal para diminuir os desperdícios e gastos desnecessários com estoque, levando em consideração a qualidade final do produto. Sendo assim, ela pode ser implementada em diversos ramos e setores, desde grandes indústrias até pequenos negócios.

Um exemplo de produção puxada são as pizzarias. A pizza só é produzida após o cliente fazer a encomenda, apesar de já ter todos os ingredientes antes mesmo de feito o pedido. Além da possibilidade de variações de sabores, impossibilitando um grande estoque. Reforçando a importância da qualidade do produto final, com uma individualização de cada pedido e maior controle dos processos, características da produção puxada.

Para saber mais sobre sistemas de produção, não deixe de conferir o nosso artigo exclusivo sobre a temática!

voltar ao topo

Saiba mais