BUSINESS MODEL CANVA: O QUE É, BENEFÍCIOS E PASSO A PASSO PARA ELABORAR

Tempo de Leitura: 10 minutos

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que você vai aprender

banner canvas

Neste artigo você entenderá o que é o Canvas e como utilizá-lo para acertar mais nas tomadas de decisão de qualquer plano de negócio. Será apresentado como o Business Model Canvas foi criado e como ele é estruturado, além de exemplificar como ele foi desenvolvido em grandes empresas.

Muitas vezes, torna-se complexo avaliar todos os pontos chave do empreendimento ao mesmo tempo, porém o Canva promove justamente essa visualização dinâmica e interativa. Portanto, serão comentadas formas de como construir essa ferramenta de forma ordenada e organizada.

 

Canvas: o que é?

O Business Model Canvas é uma ferramenta excelente para visualização e estruturação de um plano de negócio. Ele auxilia a compreensão das relações dos stakeholders, insumos e processos vinculados ao plano de negócios. Por meio do Canvas, torna-se fácil distribuir informações que norteiam os objetivos de uma nova empresa, por exemplo.

A tendência em utilizar o Business Model Canvas tornou-se uma realidade por conta da fácil interação com a ferramenta. O estabelecimento de tópicos que indicam como construí-lo de forma organizada também contribui para sua utilização só crescer. 

A criação do modelo de negócios torna-se ainda mais interativa, inclusive pela disponibilização de aplicativos online. Dessa forma, tem-se autonomia para ideias serem construídas, comentadas e validadas em conjunto, de forma virtual.

 

Quem criou o canvas?

O Canvas é uma metodologia recente, apesar de ser muito bem valorizada atualmente. A clareza e objetividade da ferramenta fizeram essa popularização crescer tão rapidamente. Em meados dos anos 2000, com crescimento da tecnologia e metodologias ágeis, este tema começou a ser debatido com mais frequência.

Com a falta de recursos que tornassem fáceis e visuais o planejamento de qualquer negócio, Alex Osterwalder desenvolveu o Business Model Canvas. O livro “Business Model Generation” – escrito por este nome tão renomado mundialmente frente aos tópicos de inovação para modelos de negócios – revolucionou a área, tornando-se best-seller global.

 

Para que serve o canvas?

Uma das maiores dificuldades dos empreendedores em um contexto de crise é identificar os problemas do negócio. Às vezes, tem-se somente um problema e, ainda assim, torna-se difícil visualizá-lo de forma detalhada para resolvê-lo. Por isso, a utilização de ferramentas como o Canva pode ser uma alternativa valiosa para solucionar esses desafios.

O Business Model Canvas possui espaços que ramificam em tópicos todas as áreas que são importantes ao plano de negócio. Portanto, ao entender e revisar quais são os fornecedores, recursos, processos de produção, custos e clientes por meio desta ferramenta, a identificação de um possível gargalo para empresa pode se tornar evidente.

 

Qual a estrutura do business model canvas?

O Canvas tem uma estrutura muito simples e dinâmica, facilitando o entendimento e importância da relação das áreas da empresa, sejam elas a de custos, logística ou produção, por exemplo. Dessa forma, a análise dos fatores relevantes para qualquer empresa torna-se mais intuitiva e criativa e menos “engessada”.

preenchimento do canvas

Proposta de valor

Para construir a proposta de valor do negócio é necessário avaliar o que a empresa vai entregar ao mercado que atraia realmente possíveis consumidores. Vale mencionar que muitos empreendimentos não avaliam o desempenho da solução proposta. 

A entrega de um produto ou serviço com muito valor ao seu cliente frequentemente é comprometida pela falta de indicadores que acompanhem os resultados da empresa, sejam eles bons ou ruins. 

A proposta de valor deve descrever o que a empresa entregará ao mercado que fará clientes buscarem esta solução proposta e não concorrentes. Além disso, deve deixar claro o motivo pelo qual o empreendimento está sendo lançado. Dessa forma, é fundamental o detalhamento dessa proposta para o plano de negócio.

Como exemplo, a proposta de valor da Uber contém “Ganhe dinheiro quando quiser” e também “O jeito mais fácil de chegar lá”. Inicialmente, a empresa propõe valor ao cliente que fornecerá o serviço, ganhando dinheiro dirigindo. Por fim, entregam valor ao cliente que precisa de transporte, buscando tornar “mais fácil” a locomoção dessas pessoas.

 

Segmento de clientes

Para o Business Model Canvas, esclarecer os possíveis consumidores do produto ou serviço entregue ao mercado é importantíssimo. Com frequência, a falta de um nicho bem estabelecido gera dificuldades de posicionamento no mercado. Enquanto isso, concorrentes vão crescendo e “sugando as energias” de um empreendimento que não soube definir os seus clientes. 

Muitas empresas possuem mais de um produto ou serviço que, obviamente, poderão atender diferentes nichos de mercado. No Business Model Canvas não há uma regra quanto ao detalhamento do Segmento de Cliente, porém se fizer sentido acrescentar mais observações quanto a esta seção da ferramenta, os usuários possuem liberdade para isso. 

Portanto, nesta seção pode ser entendido qual a capacidade econômica do público e quais são os hábitos de consumo dele, por exemplo. A partir disso, torna-se fácil debater e discutir qual a melhor forma de comunicação com estes possíveis clientes.

 

Canais

A falta de posicionamento quanto aos canais de divulgação da empresa contribui para baixa taxa de fidelização e relevância da marca. É fundamental identificar qual o melhor meio para atingir possíveis consumidores e, consequentemente, trazer resultados positivos à empresa. 

A divulgação por meio das redes sociais tornou-se uma tendência. As empresas que entendem que podem usar este canal para atingir seus objetivos estão muito à frente daquelas que ainda investem tempo e dinheiro em ações que trazem pouco retorno. Por meio de campanhas e propagandas bem direcionadas, pode-se ter lucratividades ainda maiores do que pontos físicos de venda.

É evidente que o estabelecimento destes canais para divulgação da marca precisa estar detalhado no Canvas. Para isso, os empreendedores devem avaliar principalmente o perfil dos consumidores para definirem planos de ação assertivos quanto aos canais de relacionamento.

 

Relacionamento com clientes

Nesta parte do Business Model Canvas deve ser debatido e descrito qual a melhor forma de abordagem com o segmento de clientes. Algumas empresas acabam não se preocupando com fatores quanto ao relacionamento com o cliente e, consequentemente, perdem fidelização e posicionamento efetivo no mercado. 

Nesse sentido, alguns modelos de negócios precisam de um contato mais pessoal e personalizado, enquanto outros podem ter um contato mais direto e menos ativo.

Ao estabelecer um segmento de cliente – o qual precisa se sentir encantado pelo lugar que foi e, até mesmo com vontade de retornar a este local – é necessário personalizar a abordagem. A Disney, como modelo de negócio, preza por cultura de encantamento e por isso capacita seus colaboradores frequentemente para saberem como aproximar esse contato com os clientes (visitantes).

Dessa forma, vale muito debater qual melhor abordagem para aprimorar o relacionamento com os clientes. A partir disso, desenvolver planos de ação que possam estar capacitando as equipes da empresa para que todos estejam alinhados a estes objetivos.

 

Atividades chave

Qualquer empreendimento tem atividades essenciais para atingir os objetivos do planejamento estratégico. Mapear e entender essas ações, mesmo que de forma geral, propicia fácil visualização das áreas que atingem o funcionamento da empresa. 

Uma fabricante de máquinas de café tem muitas atividades chaves, ou seja, macroáreas da empresa que, se esquecidas ou desvalorizadas, podem comprometer o desempenho do negócio. Neste caso, a empresa tem como atividades chave a produção das máquinas de café, logística de entrega dos seus produtos e marketing para divulgação e posicionamento da marca no mercado.

 

Recursos principais

Qualquer empresa nova necessita de recursos básicos para funcionar e, estes se dividem em 4 categorias: físicos, intelectuais, humanos e financeiros. Ao mapear estes recursos, torna-se fácil debater quais deles são mais importantes ou precisam de revisão/atenção. 

Para uma empresa que produzirá peças de aço, possivelmente serão necessários maquinários e mão-de-obra para a produção desses produtos.  Ao criar um empreendimento que revende produtos importados talvez seja preciso um galpão para estoque e um canal de venda, seja ele físico e/ou virtual.

Com a visualização dos recursos principais, a empresa conseguirá debater se precisa-se mais investimento em mão-de-obra mais qualificada ou disponibilização de maquinário atualizado, por exemplo. Portanto, a visualização destes recursos pode auxiliar para tomadas de decisão mais corretas.

 

Parcerias principais

Nesta seção do Canvas os empresários devem buscar descrever quem são os parceiros que contribuem para o empreendimento funcionar. A visualização dos fornecedores e/ou investidores deve ser clara e intuitiva para que, caso necessário, posteriormente sejam discutidos fatores que possam estar comprometendo os resultados da empresa.

No caso de uma indústria farmacêutica, os parceiros principais podem ser investidores e uma seguradora, por exemplo. Este mercado possui uma realidade diferente de muitos outros nichos, uma vez que exige muito dinheiro para testes laboratoriais (investidores), além de ser significativamente monopolizado, ou seja, difícil para surgir novos empreendimentos.

Portanto, descrever em tópicos quem são essas parcerias fundamentais para o negócio se manter ativo ajuda a visualizar possíveis pontos de atenção. Além disso, pode dar espaço para novas discussões como, ao desenvolver um novo produto, necessitar de novas parcerias.

 

Fontes de receita

As fontes de receita consistem em todas possibilidades de entradas de capital para a empresa. É importante relacionar estas fontes com as atividades chave, entendendo qual resultado esperado considerando estes fatores. 

Ao esclarecer quais possíveis fontes de receita, deve-se discutir quais expectativas de ganho sobre os produtos ou serviços monetizados. Junto à proposta de valor, os empreendedores devem discutir se o que está sendo entregue ao mercado está alinhado com as fontes de receitas estabelecidas. 

 

Estrutura de custos

A estrutura de custos busca quantificar e definir todos os custos do negócio. Por meio de tópicos, são distribuídos visualmente os custos que a empresa deve levar em consideração, de forma geral, para ser assertivo quanto às suas ações.

A desconsideração dos principais custos da empresa pode se tornar um problema para empresas que almejam atingir metas ousadas e possuem planos bem montados, porém não consideram as despesas que terão com possíveis investimentos. Portanto, é preciso elencar estas despesas, sejam elas custos de produção, custos fixos ou variáveis para que o planejamento possa ser melhor.

Exemplo de canvas

 

Como fazer um canvas? Veja passo a passo completo

Para desenvolver um Canvas com todos aspectos necessários para entendimento macro do plano de negócio de forma organizada é importante preparar a equipe para alinhar expectativas. Abaixo segue os passos que podem ser dados para que a construção desse momento possa ser ordenada:

  1. Mobilização: é importante explicar o motivo para equipe estar fazendo este novo projeto, ao construir um Canvas junto;
  2. Compreensão: Nesta fase da discussão, serão debatidos os tópicos do Business Model Canvas pela equipe, de forma aberta e livre. Vale mencionar que não se pode perder tempo em discussões desnecessárias;
  3. Design: Nesta fase, as informações discutidas serão distribuídas visualmente no modelo visual que fique mais claro para equipe envolvida. Essa escolha do design também pode ser feita em conjunto;
  4.  Implementação: Ao discutir todos os temas, na fase de implementação deverá ser buscado planos de ação e estabelecidos cronogramas e orçamentos parciais ou totais para resolver possíveis problemas debatidos e identificados;
  5. Gerenciamento:  por meio do gerenciamento busca-se acompanhar o desempenho dos planos estabelecidos, revisitando frequentemente o Business Model Canvas;

Como aplicar o canvas na empresa?

O Canvas é uma ferramenta que viabiliza o objetivo de visualização da situação da empresa, o que a atinge positivamente ou não. Ele auxilia no planejamento e deve ser feito em conjunto, por colaboradores que são responsáveis pela estratégia da empresa. 

Por mais que não haja regras quanto ao que exatamente colocar em cada uma das 9 seções pré-estabelecidas, deve-se buscar ser sucinto, evitando detalhes desnecessários. Vale recomendar a utilização de post-its pequenos e coloridos, pois todos os aspectos poderão ser visualizados de forma abrangente e organizada.

Gostou do conteúdo? Então baixe gratuitamente a nossa planilha de planejamento estratégico!

voltar ao topo

Saiba mais