TEMPO DE CICLO: SAIBA COMO CALCULAR PASSO A PASSO

Tempo de Leitura: 7 minutos

Compartilhe

O que você vai aprender

tempo de ciclo

 

Você já parou para pensar como as indústrias articulam tantas máquinas para que elas produzam os itens em absoluta sincronia, mesmo com cada máquina tendo suas particularidades de ritmo de produção? E sobre como é medida a viabilidade da entrega de um grande número de lotes?

Para ajudar na resolução desses problemas, as grandes empresas utilizam a medição chamada Tempo de Ciclo, ou Cycle Time.

O termo Tempo de Ciclo gera curiosidade e confusão em muitas pessoas. Afinal, parece ter vários significados e, muitas vezes, tem uso como sinônimo de outras duas medições: o Tempo de Entrega (Lead Time) e a Produtividade (Takt Time). 

Venha descobrir nesse artigo a diferença entre esses termos para nunca mais se confundir – além do passo a passo completo para calcular o Tempo de Ciclo! 

 

O que é tempo de ciclo?

O tempo de ciclo é o período de produção de uma peça, considerando desde o início de sua fabricação até sua conclusão. Esse tempo inclui, também, todas as esperas em que a peça fica ociosa no decorrer da linha produtiva

Ter um bom entendimento do seu Tempo de Ciclo permite saber qual é a capacidade produtiva de algum processo. Isso ajuda, consequentemente, na administração de recursos e na organização da produção.

Há diversas maneiras de obter o tempo de ciclo de um produto. As duas mais comuns são:

 

1 – A fábrica produz seus itens em lotes

Geralmente calcula-se o tempo de ciclo pelo lote e, depois, divide-se pelo número de peças. 

Ou seja, se um forno leva duas horas para assar 120 biscoitos, a fração do tempo de ciclo para cada biscoito no forno é de 1 minuto. 

Mesmo que não seja possível assar um biscoito em um minuto, esse número é válido no contexto de uma produtora de biscoitos. Afinal, supõe-se que as demandas nunca serão unitárias, pois biscoitos tem venda em grande volume. 

 

2- Produção de itens unitários:

Calcula-se medindo o tempo em que o produto esteve em produção. Por exemplo, a produção de carros.

Com os dados de tempo de ciclo de todos os produtos processados na sua indústria, ou mesmo na sua produção artesanal, é possível determinar qual é o melhor arranjo das produções para não haver perdas de tempo no meio do processo. 

Além disso, esses dados permitem estimar se será possível suprir uma demanda no seu tempo necessário.

 

Por que calcular o tempo de ciclo?

Na indústria 4.0, as teorias do Lean Manufacturing e do Just in Time prezam, respectivamente, pela produção enxuta sem sobras, e pela pontualidade para não gerar estoques. Por isso, cada vez mais se mostra necessário que as empresas tenham pleno conhecimento da sua capacidade produtiva. 

Dessa forma, é possível:

  • Prever se pedidos serão entregues no prazo requisitado na compra. Isso é extremamente positivo pois, sabendo de início que não há capacidade para a produção de uma encomenda, pode-se tomar providências para evitar esse problema. 
  • Perceber com antecedência que a demanda não será suprida. Assim, é possível alocar mais recursos em uma atividade. Com isso, a capacidade produtiva se torna mais eficiente e a conclusão acontece mais cedo. 
  • Facilitar a renegociação do contrato com o cliente para um acordo que permita concluir a entrega num período viável. E se não é possível estender o prazo ou aumentar a produtividade, o mais vantajoso para a empresa pode vir a ser rejeitar a venda. 

 

Benefícios em calcular o tempo de ciclo

Além de permitir uma visão mais clara da capacidade produtiva, conhecer o Tempo de Ciclo também traz muitas outras vantagens. 

Tendo a ideia de quanto tempo os produtos levam para sua produção, torna-se mais fácil estabelecer os prazos para a compra de matéria prima e para a priorização de produção de pedidos.

Idealmente, segundo a metodologia Just in Time, deve-se eliminar todos os estoques. Afinal, a espera não agrega valor ao objeto, apenas aumenta seu custo final. 

Para evitar os estoques, é essencial conhecer os tempos de cada etapa do processo Com isso,  ão há a necessidade de espera entre elas, e o tempo de conclusão coincide com o momento da entrega. 

Logo, o Tempo de Ciclo, especialmente aquele que contabiliza o tempo de conclusão de cada etapa do processo, ajuda a reduzir gastos com o armazenamento de bens.

Outra grande vantagem de uma estimativa correta do tempo de produção é a satisfação dos clientes. Esses geralmente não conhecem os funcionamentos internos de sua produção. Todavia, associam a pontualidade de entrega à qualidade e organização interna. 

No mercado competitivo, essa impressão de qualidade e confiabilidade se torna um elemento chave de diferenciação dos concorrentes. Dessa forma, pode garantir ou destruir a boa reputação das diferentes produtoras. 

 

Lead time e tempo de ciclo: qual a relação?

O conceito de Lead Time, ou Tempo de Entrega, é muito similar ao Tempo de Ciclo, e muitas pessoas usam os dois intercambiavelmente. 

Porém, existe uma diferença crucial entre os dois: o Tempo de Entrega representa quanto tempo um pedido leva desde sua encomenda até ser entregue nas mãos do cliente. Ou seja, o Lead Time é o Tempo de Ciclo, somado ao tempo que se levou para iniciar a produção depois da compra e ao tempo de frete dos produtos. 

Tempo de ciclo

Diferenciar o Cycle e o Lead Time permite uma maior especificidade na hora de analisar a produtividade de uma empresa. 

Para entender melhor essa diferença, imagine que você administra uma fábrica de telefones celulares no Brasil. Além disso, que já investiu muito em velocidade de produção. Porém, continua com muito atraso nas entregas, mesmo com um Tempo de Ciclo curto.

Esses atrasos “inexplicáveis” podem ser decorrentes do tempo de importação de microchips para a produção dos aparelhos. 

Enquanto o tempo da montagem de fato é bastante curto, para seu início é necessário esperar pelos insumos antes de iniciar a produção. Logo, precisa-se diminuir o Lead Time, não o Cycle Time.

 

Takt time e tempo de ciclo: qual a relação?

O Takt Time, ou Produtividade, é também muito semelhante ao Cycle Time e acaba trazendo confusão de conceitos.

Podemos definir a Produtividade como o tempo que cada unidade deve consumir para a produção para que se produza o total da encomenda no tempo disponível. 

O Takt Time não considera o tempo que se passa antes do início da produção, nem o tempo de frete. Dessa forma, trata-se apenas das horas de processamento em que o produto está em Ciclo.

Tempo de ciclo

Apesar da semelhança, a diferença entre Cycle e Takt Time é:

  • Cycle Time se baseia em dados do tempo de produção que ocorreram de fato, e é obtido por meio da contagem do tempo em que a peça esteve em ciclo.
  • Takt Time é o tempo que ela precisa estar em ciclo para concluir o pedido a tempo de ser entregue “Just in Time” (na data e hora estabelecidos no contrato).

Assim, podem ocorrer três cenários: 

Tempo de ciclo

 

Como calcular o tempo de ciclo da produção?

Mas afinal, como exatamente se calcula o Tempo de Ciclo?

Uma maneira simples de medir o Tempo de Ciclo de itens produzidos em lotes é dividir a diferença entre os horários de início e fim do processo produtivo pelo número de unidades produzidas. Assim, pode-se obter o tempo médio de produção por peça. 

tempo de ciclo

Esse valor não pode ser utilizado para dizer que um biscoito é assado em 1 minuto, mas sim, associando o número à aplicabilidade de que 120 biscoitos são assados a cada duas horas.

Em contrapartida, quando os produtos são processados um por vez, basta calcular a diferença entre os horários de início e fim do processamento da unidade. Esse será o tempo real que ela passou na fabricação.

tempo de ciclo

Para descobrir essas diferenças de horários, geralmente são usadas duas ferramentas: as cronoanálises e os kanbans digitais

As cronoanálises são medições em que os especialistas registram os horários de início e fim das atividades num banco de dados. Após a coleta é possível calcular suas médias, medianas, os maiores ou menores tempos, ou outras medidas que façam sentido no contexto do processo que está sendo analisado.

 O kanban digital não é muito diferente disso: ele executa os mesmos cálculos, mas de maneira automática. Quando se migra de uma atividade para a seguinte, essa ferramenta registra o horário na base de dados, para depois relatar suas medições. 

Alguns kanbans “trocam” de atividade automaticamente, geralmente quando as tarefas são digitais ou as máquinas estão conectadas a um sistema. Mas também há os kanbans digitais que podem ser utilizados por pessoas. Assim, elas precisam acessar o programa para registrarem que estão na próxima tarefa.

Ambas as maneiras trazem resultados muito semelhantes. Portanto, a escolha de uma ou outra depende muito do contexto de automatização e mapeamento que a produção já tem. Além disso, e quanto a empresa está disposta a mudar suas práticas para ter esses resultados de maneira mais consistente, ou se preferem apenas uma análise pontual.

 

3 dicas para reduzir tempo de ciclo

  1. Adotar o controle por kanbans digitais: utilizar um kanban digital possibilita, além de medir o Tempo de Ciclo, analisar quais tarefas da produção estão sendo gargalos. Essa ferramenta simplifica a aplicação de todas as outras dicas.
  2. Evitar esperas e estoques intermediários: quando um produto termina uma etapa da fabricação e precisa esperar para iniciar a próxima, significa que sua fabricação não está o mais eficiente possível, e que há gastos não produtivos no processamento do objeto. Logo, evitá-los, além de diminuir o Tempo de Ciclo, diminui os gastos com ociosidade.
  3. Pensar Lean: a metodologia do Lean Manufacturing segue o princípio de economia de recursos. Assim, visa produzir da maneira mais enxuta possível, economizando recursos ao evitar trabalhos desnecessários. Com essa mentalidade se diminui perdas de material, trabalho e tempo, o que, consequentemente, diminui o tempo de ciclo.

 

cronoanálise

voltar ao topo

Saiba mais

MELHORIA DO LAYOUT E DO TEMPO DE CARREGAMENTO DOS CAMINHÕES

A EPR Consultoria foi contratada por uma siderúrgica para um projeto de melhoria contínua: otimizar o carregamento de caminhões e reformular o layout de um estoque de 5.000 m². As mudanças resultaram em operações mais eficientes, com 19,3% mais capacidade de carregamento e a redução de um colaborador por turno.

Leia mais »